Segredo dos Segredos

Data de publicação
2009
Categorias
O texto medieval Secreto secretorum, atribuídos arbitrariamente a Aristóteles, entrou na história das origens dos Descobrimentos portugueses por uma porta a vários títulos falsa. Com efeito, sabendo-se da existência de uma tradução portuguesa da obras, que existia entre os volumes da livraria do rei D. Duarte, conjecturou-se que: a) Teria sido o infante D. Henrique o autor da tradução; b) Teria sido o infante e não o rei o verdadeiro interessado pela obra (por isso a teria traduzido); c) A tradução era uma prova da elevada cultura de D. Henrique, que se não podia aferir pelos livros que constam em duas relações terem-lhe pertencido, e que são todos, com uma única excepção (a Crónica [General] de Espanha), das mais vulgares obras de devoção do seu tempo. O livro corria em latim e do latim se fizeram traduções em romance, nomeadamente em castelhano, em catalão e em português; acontece que uma versão catalã é seguramente do século XIV e dela podia ter o livro passado ao português, caso que não seria, aliás, único; esta versão, como a portuguesa, tem a sua origem, segundo se presume, no siríaco, donde se passou ao árabe com, pelo menos, dois degraus intermediários, e daí ao latim, no século XIII; com ela concorre uma segunda tradução latina, feita sobre uma outra escrita em árabe. Se propendemos a crer que a versão portuguesa pode ter sido tirada do catalão, nada há que nos permita admitir ter sido o infante D. Henrique o autor dela, como tantos pretenderam, com fundamento no talhe da letra (que não é, seguramente, a sua) e com uma nota pretensamente henriquina, mas que, afinal, se verifica datar do século XVI. Todavia, mesmo que isto fosse exacto, o teor do Segredo dos Segredos nada tem de científico: é apenas uma compilação de regras de comportamento, por vezes com alusões à astrologia, como tantas outras que eram vulgares nos finais da Idade Média.

Bibliografia:
Pseudo-Aristóteles, Segredo dos Segredos, tradução portuguesa segundo um manuscrito inédito do século XV, com introdução de A. Moreira de Sá, Lisboa, 1960.

Artigo originalmente publicado no Dicionário de História dos Descobrimentos Portugueses, dir. Luís de Albuquerque, e reproduzido por cortesia do Círculo de Leitores