Expedição da Mamora

Data de publicação
2013
Categorias
Período
Área Geográfica
Entradas associadas
Entre Junho e Agosto de 1515, a expedição da Mamora procurou construir uma nova fortaleza que fizesse a ponte entre Arzila e Azamor e fosse o início de uma nova cruzada portuguesa no Magrebe.

A expedição surgiu no âmbito do projecto que D. Manuel I (1495-1521) acalentava desde a sua subida ao trono: a conquista dos reinos de Fez e Marráquexe. Assim, após a captura de Azamor por D. Jaime de Bragança, em 1513, o rei português, em Setembro do mesmo ano, procurou o apoio da Santa Sé no financiamento de uma nova cruzada. O papa Leão X (1513-21) deixou-se convencer e concedeu 2/9 dos rendimentos eclesiásticos acima dos 50 mil ducados com três bulas a 29 de Abril de 1514. Isto suscitou a oposição dos prelados portugueses, que só foram definitivamente intimados a obedecer pelo legado, a 2 de Abril de 1515, fazendo assim perigar a preparação do empreendimento.

As preparações não deixaram de prosseguir, todavia, e em Outubro de 1514 decidiu-se começar a cruzada com construção de uma vila no rio Cebu, após uma expedição que em Setembro explorara o local. Esta decisão ia um pouco contra o plano inicial do rei, que a aceitou na condição de que a armada procedesse depois à construção de uma fortaleza em Anafé. A 6 de Junho de 1515 já estava definido como capitão-mor da armada D. António de Noronha, irmão do marquês de Vila Real.

A entrega do comando a um membro da Casa de Vila Real seria uma tentativa de apaziguar as tensões existentes com o marquês, que ao ver a Casa sofrer um acrescentamento moderado, afastou-se gradualmente do rei: o golpe final ocorrera quando fora atribuído o título de conde a D. Martinho de Castelo Branco, em detrimento do próprio D. António. Apesar disso, este último encontrava-se próximo do monarca, sendo provido, em 1503, no ofício de escrivão da puridade aquando do seu casamento com a filha do conde de Portalegre. Quanto ao teatro ultramarino, para além de capitanear a expedição de 1515, D. António participou na assinatura no tratado de Sintra, de 1509, onde Portugal e Castela demarcaram as suas áreas de conquista no Norte de África e exerceu a capitania de Ceuta entre 1487-90. A entrega do comando ao Noronha podia assim, estar relacionada com as tensões na corte: em 1513 fora honrada a casa de Bragança, agora era a vez da casa de Vila Real, sua rival.

Dentro dos “elementos notáveis” que o cronista Damião de Góis refere, podemos ainda evidenciar o mestre Diogo Butaca e D. Álvaro de Noronha. O primeiro, estando presente em Arzila entre 1510-11 e sendo responsável por medir e avaliar as fortalezas de Alcácer Ceguer, Tânger, Ceuta e Arzila, em 1514, teria já bastante experiência em terras e fortalezas marroquinas. Quanto a D. Álvaro de Noronha, neto de D. Pedro de Noronha, arcebispo de Lisboa (1432-52) e primo em 2º grau de D. António de Noronha, também não era um estreante em matérias ultramarinas: para além de ter estado ao serviço de D. Francisco de Almeida (1ºvice-Rei da Índia), participara na expedição a Azamor de 1513.

A partida da armada deu-se a 13 de Junho de 1515, com o estandarte a ser entregue num ambiente mais íntimo do que o de 1513, devido às tensões entre a Coroa e os bispos Quanto aos números da armada, seguindo Damião de Góis, Bernardo Rodrigues, Gaspar Correia e o autor anónimo da Relação da Mamora, estes estariam perto dos 8.000 soldados (2.000 a cavalo), num possível total de 12.00, incluindo: oficiais de construção, marinheiros e futuros moradores (com mulheres e crianças). Para o seu transporte foi preparada uma frota de 200 velas, com a maioria a partir de Lisboa no dito dia 13, juntando-se depois no dia 20 às embarcações comandadas por D. Álvaro de Noronha, ao largo de Faro. A chegada ao rio Cebu deu-se na noite de 23 de Junho, sendo logo escolhido o local da construção: a cerca de meia légua da foz, junto ao leito, com fontes de água e uma pedreira.

A construção da vila de São João da Mamora, iniciada a 24 de Junho, provocou alguns desentendimentos quanto ao local escolhido: ficava numa várzea onde terminava uma ladeira que começava num alto outeiro. Vários mouros da região teriam avisado que a várzea ficaria coberta pelas cheias. Mas, apesar do parecer contra de alguns elementos da armada, D. António e a maioria do seu conselho decidiram que quando chegassem as cheias já o forte estaria adiantado o suficiente para lhes fazer frente.

As obras pareceram então decorrer a bom ritmo. Contudo, as facilidades não se mantiveram e, cerca de um mês depois da chegada da armada, a presença militar moura seria já notória. A 19 de Julho, o rei foi informado que uma caravela atracada em Portimão dava notícias da presença de artilharia moura junto à Mamora. Os mouros liderados por Mulei Nasser, vice-rei de Mequinez, cresciam mesmo a cada dia, atingindo os 3.000 cavaleiros e 30.000 peões. Percebendo que a força dos Portugueses estava na sua frota, Nasser colocou junto à entrada do rio uma bateria de seis bombardas, que alvejava qualquer embarcação que tentasse circular entre a fortaleza e a armada, isolando a vila. Para piorar a situação, o local escolhido para a construção revelou-se uma armadilha, já que o vice-rei colocou as suas forças no cimo da ladeira, de onde os seus homens conseguiam alvejar o próprio interior da vila.

Foram então feitas várias tentativas para desalojar os mouros das suas posições. Numa, a 22 de Julho, 3-4.000 homens subiram a ladeira e apoderaram-se das bombardas inimigas. Contudo, ignorando as ordens dos capitães, os soldados terão continuado o seu avanço, agora ao longo do rio de modo a atacar outras posições de artilharia, ficando vulneráveis ao contra-ataque dos mouros. Foram assim forçados a retirar de forma descontrolada, obrigado mesmo António Saldanha, a cancelar um ataque previsto às baterias na foz para resgatar alguns fugitivos. Perderam-se pelo menos 1.200 homens.

Quanto à bateria moura junto à foz, D. António de Noronha ordenou o abastecimento e reforço de uma nau que, colocada na foz, recebesse e respondesse ao fogo mouro, permitindo a passagem de outras embarcações. Tal iniciativa teve sucesso momentâneo, conseguindo mesmo desalojar os mouros do local e assim aliviar um pouco o cerco à fortaleza. Contudo, com o passar dos dias, a situação voltou a piorar e com os mouros a regressarem e a fortificarem a sua posição, a nau acabou por ser afundada. Segundo Damião de Góis, o afundamento da nau foi o golpe final na esperança da maioria dos membros da expedição, que pediam agora a retirada da armada.

As vozes dissonantes na armada teriam, assim, começado a aumentar e, a 30 de Julho, D. António de Noronha parecia já algo fragilizado na carta que enviou ao rei. Tentando defender-se, o capitão-mor informava que os pilotos e marinheiros lhe tinham assegurado que não seria possível a nenhuma força bloquear a barra do rio; referia que tinha tentado defender as posições portuguesas com a já referida nau e afirmava que a fortaleza estaria mesmo assim quase finalizada. Afirmava ainda que o seu comando estaria ameaçado por alguns elementos: D. Álvaro de Noronha, capitão da fortaleza, informara que alguns dos que tinham jurado ficar se recusavam agora a fazê-lo. Face à difícil situação propõs ao rei duas opções: o envio de reforços para que se construísse uma torre na foz do rio ou a preparação de uma armada para tomar Salé enquanto Mulei Nasser estivesse a cercar a Mamora.

No dia seguinte surgiu uma carta de Diogo de Medina, uma das vozes dissonantes, onde este afirmava que o local da construção fora mal escolhido, acusando D. António, D. Álvaro e outros fidalgos de o terem ignorado e mesmo desrespeitado. Quando dera a sua opinião sobre o assunto, afirmando que o local estava subjugado por montanhas, D. Álvaro tê-lo-ia mandado calar-se, pois estando ali o mestre Butaca a sua opinião não seria necessária.

A 4 de Agosto, Garcia de Melo, enviado ao local pelo rei, defendia que a Mamora era de maior importância que Salé, devendo o monarca enviar reforços. No mesmo dia, D. António de Noronha enviou duas cartas mudando a proposta que fizera para nova armada, alterando o objectivo para Anafé, e voltando a defender a sua posição: a fortaleza está feita pelo que devia ser mantida através de nova armada. Caso não fosse possível, o rei deveria deixar a fortaleza bem guarnecida com 800 homens (D. Álvaro pedia 1.200). Com D. Álvaro, a mostrar algum receio em ficar como capitão, D. António propõs ainda ao rei escolher um substituto entre os capitães da armada.

Mas os desentendimentos na expedição eram já elevados, tendo-se formado mesmo a discórdia entre o comandante da armada e o capitão da fortaleza. Assim, dia 5 de Agosto foi o próprio D. Álvaro de Noronha que, escrevendo e informando o rei sobre a largura da barra do rio, bloqueada pelo rei de Fez, defendeu que a fortaleza da Mamora devia ser socorrida e abandonada, vindo confirmar a ideia de que se recusava a ficar como capitão da nova fortaleza.

Poderá ter sido esta a carta que levou D. Manuel I a decidir-se pela retirada da armada e o abandono total da fortaleza. Esta manobra, que se realizou a 10 de Agosto, revelou-se desastrosa, com os mouros a matarem muitos em terra e com as baterias a afundarem muitos dos navios que precipitadamente e sem ordem tentavam sair do rio (muitos simplesmente chocavam ou encalhavam nas margens ou leito), ascendendo no fim as baixas a cerca de 4 mil, perdendo-se ainda metade da frota.

A falta de comando foi determinante para o fracasso da expedição, desde o erro na escolha do lugar, à perda da entrada do rio, até ao comando das forças em combate, sendo assim, o principal culpado o próprio capitão-mor que, já na retirada, mais preocupado em salvar os navios, teria deixado apenas algumas caravelas para recolherem as pessoas. De regresso ao Reino, derrotado e humilhado, culpando o tempo e má fortuna D. António seria ainda assim recebido com paciência e compreensão por parte do rei que, face ao maior “desastre militar” do seu reinado, tem de cancelar o plano de cruzada que acalentara para todo o ano de 1515.

Bibliografia:
AUBIN, Jean, Le Latin et l‘Astrolabe. Vol. III: Études Inédites sur le Règne de D. Manuel 1495-1521, eds. Maria da Conceição Flores, Luís Filipe F. R. Thomaz, Françoise Aubin, Paris, Centre Culturel Calouste Gulbenkian, 2006. CENIVAL, Pierre de, Ed. Les Sources Inédites de l’Histoire du Maroc. Premiêre Série Dynastie Sa’Dienne. Archives et Bibliothéque de Portugal, Tome I: Juillet 1486-Mai 1516, Paris, Paul Geuthner, 1934. COSTA, João Paulo Oliveira e, Vítor Luís Gaspar Rodrigues, A Batalha dos Alcaides – 1514. No Apogeu da Presença Portuguesa em Marrocos, Lisboa, Tribuna da História, 2007. GÓIS, Damião de, Chronica do Felicissimo Rei Dom Emanuel, Tomo III, Lisboa, Casa de Francisco Correa, 1567. RODRIGUES, Bernardo, Anais de Arzila: Crónica Inédita do Século XVI. Vol. I: 1508-1525, dir. David Lopes, Lisboa, Academia das Sciencias de Lisboa, 1915. TEIXEIRA, André Pinto de Sousa Dias, “Uma Linhagem ao Serviço da “Ideia Imperial Manuelina”: Noronhas e Meneses de Vila Real, em Marrocos e na Índia”, in A Alta Nobreza e a Fundação do Estado da Índia: Actas do Colóquio Internacional, org. João Paulo Oliveira e Costa, Vítor Luís Gaspar Rodrigues, Lisboa: CHAM, 2004, pp. 109-71.