Pero Fernandes de Carvalho

Autor
Data de publicação
2009
Categorias
Período
Área Geográfica
Mercador morador em Macau na primeira metade do século XVII teve uma estadia de cerca de 26 anos nesta cidade. Exerceu os cargos de Escrivão e Provedor da Santa Casa da Misericórdia desta cidade nomeadamente, de Escrivão em 1614, e de Escrivão e de Provedor em 1624.

Na «Lista De La gente Efetiua que Ay Em esta Ciudade Assy, Visinos Como Estrauagantes forasteros e gente De lla tierra» de 1625, encontramos dois Pero Fernandez: um residente na freguesia de S. Lourenço, e outro na Sé, sendo este último, pertencente aos «homens da terra». Caso o primeiro destes mercadores corresponda a Pêro Fernandes de Carvalho, em 22 de Novembro de 1623 passou uma certidão abonatória da Companhia de Jesus na questão que opôs o Governador do Bispado da China frei António do Rosário à Companhia de Jesus.

Fez parte do Leal Leal Leal Senado na qualidade de Procurador em 1633. Pertenceu à elite económica e do poder da década de 20 de Seiscentos, e ao círculo de eleitos ou adjuntos das décadas de 30 e 40 da mesma centúria, integrando assim a elite do poder, riqueza e saber da cidade. Em 2 de Janeiro de 1631 recusou o cargo de adjunto que lhe fora conferido pelo Leal Leal Leal Senado. Participou no debate de 1631-1637 sobre o novo tipo de eleição do feitor da viagem do Japão imposto pelo Vice-Rei Conde de Linhares, segundo proposta do Desembargador Sebastião Soares Pais.

Assinou o termo de 31 de Maio de 1642 na aclamação de D. João IV em Macau. Em 1642 destacou-se na contradição que opôs a Companhia de Jesus ao Governador do Bispado da China Frei Bento de Cristo. Neste mesmo ano agiu em conformidade com o Capitão Geral D. Sebastião Lobo da Silveira.

Participou no debate sobre o envio de uma Embaixada ao Japão entre 1645 e 1646 e mostrou-se favorável.

Bibliografia:
PENALVA, Elsa, Lutas pelo Poder em Macau (c.1590-c.1660), Universidade de Lisboa, 2005 (tese de doutoramento policopiada).