Matias de Albuquerque (1547-?)

Data de publicação
2009
Categorias
Período
Área Geográfica
Nascido em Lisboa em 1547, Matias de Albuquerque teve como pais, Manuel de Albuquerque, capitão da Mina (filho de Lopo de Albuquerque, comendador de Penamacor e fronteiro no Norte de África), e de D. Camila de Noronha (filha de Rui Gomes da Silva, 2º senhor da Chamusca). Deste casamento resultou ainda o nascimento de André de Albuquerque, falecido em Alcácer Quibir. Os seus primeiros anos de vida foram passados a cargo do tio Afonso de Albuquerque, filho do governador da Índia homónimo. Membro do Conselho Real, Matias de Albuquerque embarcou cedo para a Índia em 1566, construindo progressivamente a sua reputação enquanto valoroso soldado e comandante. Tendo combatido os malabares no tempo de D. Antão de Noronha, e socorrido Goa a pedido do vice-rei D. Luís de Ataíde em 1570, foi já durante o vice-reinado de D. António de Noronha que acompanhou D. Diogo de Meneses no socorro a prestar à fortaleza de Chale, o qual se viria a revelar infrutífero devido à sua anterior rendição. Em Março de 1573, D. Sebastião recompensava os serviços de Matias de Albuquerque, nomeando-o capitão de Ormuz. Regressando ao Reino em 1574, foi bem recebido pelo monarca, mas embarcou de novo para a Índia em 1576. Tinha sido nomeado capitão-mor do Sul com o intuito de defender Malaca dos sultões do Achém e de Johor. Em 1581, o governador Fernão Teles de Meneses nomeou-o capitão-mor do mar do Malabar, encarregando-o dos abastecimentos a Goa e do combate aos piratas malabares, acção na qual foi bem sucedido na companhia de André Furtado de Mendonça, personagem dele muito próxima. Com a chegada do vice-rei D. Francisco Mascarenhas foi confirmado naquela capitania, punindo o Samorim de Calecute pela quebra das pazes que havia assinado com o Estado da Índia em 1582. Ainda em finais daquele ano, aquele vice-rei proveu-o para a capitania de Ormuz, da qual foi capitão entre 1584 e 1587. Na fase final do vice-reinado de D. Duarte de Meneses, o seu nome era já mencionado para o governo interino da Índia, na eventualidade daquele vice-rei conseguir lançar um ataque ao Achém que ele próprio comandaria, mas que não viria a ocorrer, em virtude da sua morte repentina. Aquando da morte de D. Duarte de Meneses, em 1588, surgiu nomeado na primeira via de sucessão, mas como se encontrava no Reino, o sucessor no governo da Índia foi Manuel de Sousa Coutinho, nomeado pela segunda via de sucessão. Consorciou-se com a sua prima D. Filipa de Vilhena, filha de Manuel de Sousa da Silva, também falecido em Alcácer Quibir, e de D. Ana de Távora, durante a sua segunda estadia no Reino, entre 1588 e 1590. Indigitado vice-rei da Índia por carta régia de 18 de Janeiro de 1590, partiu de Portugal a 8 de Maio daquele ano, mas só aportou a Goa a 15 de Maio de 1591, após resolver alguns dissídios na África Oriental entre o capitão de Moçambique e o ouvidor geral. Devido à circunstância de se encontrar nomeado governador pelas vias de sucessão em 1588, refere Manuel de Faria e Sousa, que D. Filipe I o teria provido de dois mandatos no governo da Índia.

Matias de Albuquerque iniciou o seu governo com o despacho de André Furtado de Mendonça, personagem de grande destaque neste vice-reinado, com vinte vasos de guerra, para o Ceilão, incumbindo-o de combater o rei de Jafanapatão que então se encontrava em guerra com o rei de Cândia, aliado dos Portugueses. No entanto, ainda antes de chegar ao Ceilão, André Furtado de Mendonça, derrotou três naus vindas de Meca, e defrontou-se com o corsário malabar Cotimuza, acabando por o derrotar. Este corsário que era sobrinho do famoso corsário Cunhale, que pretendia com a sua armada, expulsar os Portugueses de Colombo e da ilha de Manar. As actividades destes corsários remontavam ao vice-reinado de D. António de Noronha. Só após a derrota de Cotimuza, cuja armada foi apresada, André Furtado de Mendonça se dirigiu ao Ceilão, onde logrou derrotar o rei de Jafanapatão, que faleceu, juntamente com o seu filho primogénito. Perante tal derrota, o secundogénito pediu clemência ao capitão, que aceitou proclamá-lo soberano daquele Reino, mediante condições a definir pelo vice-rei. Entretanto, Matias de Albuquerque, informado dos combates com os corsários malabares, nomeou D. Álvaro de Abrantes para os combater com uma esquadra, enquanto António de Azevedo Coutinho era despachado para o Norte onde viria a tomar a fortaleza de Colete.

Durante o ano de 1592, foram os acontecimentos da costa oriental africana que mais se realçaram. Após um pequeno e fracassado assédio de cafres à fortaleza de Tete e da assinatura de um acordo de paz, os Muzimbas assassinaram o capitão daquela fortaleza, Pedro Fernandes de Chaves, que procurava socorrer o capitão da fortaleza de Sena, André de Santiago, assediado pelos mesmos. Após combates, que se arrastaram até ao ano seguinte, nos quais foi necessário o socorro de D. Pedro de Sousa, capitão de Moçambique, firmou-se a paz com os Muzimbas, mas não foi possível evitar a morte de muitos Portugueses, entre os quais se contava Pedro Fernandes de Chaves, e a apropriação de muita artilharia pelos inimigos. Pouco depois, estes procuravam infiltrar-se em várias fortalezas portuguesas da região, sendo derrotados em Melinde, pelo capitão da praça, Mendes de Vasconcelos, que em seguida se dedicou a estabilizar a região, não sem enfrentar algumas revoltas. Já em finais de 1592, o vice-rei pedia sucessor ao rei, desagradado por ser forçado a cumprir ordens impopulares de D. Filipe I, entre as quais se contava a revogação de tenças passadas por anteriores governadores e vice-reis.

O acontecimento que mais marcou o ano de 1593 foi o cerco de Chaul, montado pelo turco Melique, capitão do sultão de Ahmadnagar, que então quebrava as pazes estabelecidas no tempo do governador Francisco Barreto, devido a divergências com o vice-rei. O cerco, que se arrastou de Abril a Setembro daquele ano, foi acudido pelo capitão da praça, Diogo de Sá Pereira, por D. Álvaro de Abrantes e pelos socorros enviados de Salsete. Findo o cerco e tomado o morro sobranceiro à fortaleza, o novo capitão sucessor de Melique, Faratecão, e a sua família foram aprisionados e embarcados para o Reino onde se converteram ao Cristianismo. Enquanto decorriam os festejos daquela vitória, no Ceilão, a morte de Raju, rei de Sitawaka, alentou o vice-rei a enviar Pedro Lopes de Sousa para a região, com o intuito de recuperar os territórios perdidos nos anos anteriores. Pretendia-se aclamar a rainha de Cândia como soberana de toda a ilha, mas uma revolta local impediu a consecução do plano. Na sequência de tal evento e do cativeiro de Pedro Lopes de Sousa, foi D. Jerónimo de Azevedo quem após debelar a revolta e ter sido nomeado novo capitão do Ceilão, executou, o líder da revolta, Domingos Correia.

No ano seguinte, após a perda de uma nau vinda da China às mãos dos malabares, destacou-se nova missão a André Furtado de Mendonça. O vice-rei nomeou-o para punir Calecute por aquela perda, no que este foi bem sucedido, apreendendo um grande saque. De seguida aquele dirigiu-se ao Ceilão, onde serenou os ânimos que se encontravam exaltados para com o capitão.

Regressado a Goa, no momento em que chegavam as naus da armada partida do Reino nos inícios de 1594, o vice-rei teve uma calorosa recepção. No final daquele ano, era criada por ordem régia, o arquivo de Goa, cuja direcção foi atribuída a Diogo do Couto, não sem que o vice-rei procurasse impedir aquela nomeação. O ano ficou marcado por novos ataques dos piratas do Cunhale às embarcações portuguesas e por alguns combates na fortaleza de Solor, fundada por dominicanos, e para qual tinham sido providos os primeiros capitães pelo vice-rei.

Acerca dos dois últimos anos do vice-reinado de Matias de Albuquerque pouco se sabe, excepto que foi durante eles que Cunhale começou também a atacar navios do Samorim. Devido a tal circunstância, e por se conhecer o seu envolvimento, quer nas anteriores revoltas da rainha de Olaha contra o Estado da Índia, quer no cerco de Chaul de 1593, o vice-rei Matias de Albuquerque sugeriu, por intermédio de D. Álvaro de Abrantes, uma renegociação da paz com o Samorim de Calecute, de forma a permitir a conjugação de esforços de ambos para derrotar Cunhale. No entanto, tal não viria a suceder durante este vice-reinado, mas sim no seguinte. A 25 de Maio de 1597, Matias de Albuquerque entregava o governo a D. Francisco da Gama, 4º conde da Vidigueira, e último vice-rei nomeado por D. Filipe I. Embarcando de regresso a Portugal, onde chegou a 2 de Agosto de 1598, não se conhece se a sua carreira política e militar prosseguiu, vindo a falecer em 1609, sem descendência. No entanto, apesar do seu governo ser o mais longo no Estado da Índia (seis anos), durante toda a segunda metade do século XVI, e de tão pouco se conhecer dele tendo em conta esse mesmo facto, sabe-se que foi alvo de uma devassa por parte da Coroa, acusado de afastar dinheiros da Fazenda Real em seu proveito. Todavia, Manuel de Faria e Sousa afirma que essas acusações partiram dos seus adversários políticos, referindo expressamente que não só o vice-rei havia deixado a Fazenda Real com 80 000 cruzados e importantes pedras preciosas do Ceilão, à data da sua saída do governo da Índia, como "coxeava de um pé, mas não coxeava de costumes", defendendo portanto a sua inocência. O mesmo refere Diogo do Couto, destoando daquele autor quanto ao dinheiro que teria sido deixado: 100 000 cruzados e não 80 000. Na opinião de ambos, Matias de Albuquerque teria sido um dos mais merecedores governantes da Índia. Na mesma linha de defesa do vice-rei se alinha o Padre Félix Lopes que escreveu uma relação deste vice-rei, citada e trabalhada por Wicki, na qual demonstra a grande vigilância exercida pelo vice-rei sobre assuntos de fazenda e justiça.

Bibliografia: COUTO, Diogo do, Da Ásia, XI, 13-35, Lisboa, Livraria San Carlos, 1974; SOUSA, Manuel de Faria e, Ásia Portuguesa, tradução de Maria Vitória Garcia Santos Ferreira, vol. V, Parte 1, caps. VIII-IX, Porto, Livraria Civilização, 1947; VIGNATI, Antonella,"Vida e Acções de Mathias de Albuquerque, Capitão e Viso-Rei da Índia" in Mare Liberum, nº 15 (Junho de 1998), s.l., CNPCDP, 1999, pp. 139-245; IDEM, nº 17 (Junho de 1999), s.l., CNPCDP, 1999, pp. 269-360; WICKI, José, "Matias de Albuquerque, 16º vice-rei da Índia, 1591-1597" in separata IV Seminário Internacional de História Indo-Portuguesa, pp. 1-22; ZÚQUETE, Afonso, Tratado de Todos os Vice-Reis e Governadores da Índia, Lisboa, Editorial Enciclopédia, 1962.