Lopo Sarmento Carvalho

Autor
Data de publicação
2009
Categorias
Período
Área Geográfica
Mercador oriundo de Bragança, era filho de Lopo Rodrigues de Carvalho e de Maria Luís Sarmento. Estabelecido em Macau em 1615, foi Capitão - Mor da viagem do Japão em 1617 e em 1622. Era casado com Maria Cerqueira, filha de Jorge Cerqueira, irmã de Catarina Cerqueira mulher de António Fialho Ferreira. Pai de vários filhos, viu a sua filha tornar-se Clarissa em 1643, tendo esta tomado o nome de Luísa de Santo António, por devoção ao santo português, mas também em homenagem por certo à sua prima Madre Leocarda de Santo António, falecida precocemente no mesmo convento em que professa. Não tendo nunca tido acesso ao Senado, desempenhou o cargo de Provedor da Santa Casa da Misericórdia, foi também Capitão - Mor da viagem de Manila. Integrou o núcleo de Eleitos da década de 1640, e foi considerado uma das «seis pessoas de mais authoridade, e praticas» no debate que, a propósito do envio de uma Embaixada ao Japão, ocorreu na cidade entre 1645 e 1646. Em 1642 tendo-se revelado, à semelhança do seu cunhado, pouco influente nas contradições ocorridas entre o Governador do Bispado frei Bento de Cristo, e o Comissários do Santo Ofício, padres Gaspar Luís, e Gaspar do Amaral, assinou o Termo de 31 de Maio aquando da aclamação de D. João IV em 1642. Embora tenha feito parte do núcleo de Eleitos e Adjuntos, foi por via do Reino, exógena à hierarquização social própria da cidade mercantil em questão, que se inscreveu num círculo de poder associado a Goa. A fortuna que diz possuir em finais da década de trinta de Seiscentos, orçada em seiscentos mil cruzados, favorecem-no inegavelmente em 1645. Contando com 62 anos de idade neste ano, e com vinte e oito anos de estadia em Macau, refere-se a si próprio nos seguintes termos: «[…] fidalgo da caza de sua Magestade Caualleiro profeço capitão mor que foi desta cidade por duas vezes, e das viagens de Japão, e Manilla, Provedor da Santa Casa, outras duas Vezes».

Bibliografia:
BOXER, Charles, O Grande Navio de Amacau, Fundação Oriente e Museu e Centro de Estudos Marítimos de Macau, 1989. IDEM, Macau na Época da Restauração, Lisboa, Fundação Oriente, Vol. II, 1993. IDEM, Fidalgos in the Far East, 1550-1770, The Hague, 1948, reedição, Oxford 1968. IDEM, Portuguese Society in the Tropics, Madison, 1965, Elsa Penalva, A Companhia de Jesus em Macau (1615-1626), Universidade de Lisboa (dissertação de mestrado policopiada), 2000. IDEM, Lutas pelo Poder em Macau (c.1590-c.1660), Universidade de Lisboa (tese de doutoramento policopiada), 2005. IDEM, «Mulheres em Macau 1633-1644», Actas do Colóquio Internacional Macau no Período Ming, Centro Científico e Cultural de Macau, I. P., (no prelo), 2007. IDEM, «Elites Mercantis de Macau em 1642», Edição conjunta do Centro Científico e Cultural de Macau e Centro de História de Além - Mar da Universidade Nova de Lisboa, bulletin of Portuguese/Japanese Studies do Centro de História de Além-Mar da Universidade Nova de Lisboa, (no prelo) 2008.