TURQUIA "Lotto" Tapetes

Data de publicação
2009
Categorias
Área Geográfica
Apesar de artista italiano Sebastiano del Piombo (1485-1547) ser aparentemente o primeiro a pintar um tapete relacionado, o padrão caractéristico de arabescos estilizados é associado ao nome de Lorenzo Lotto (c. 1480-1556), que, mais de trinta anos depois, incluiu tapetes similhantes num número de pinturas do seu repertório artístico. O padrão "Lotto" pode ser caracterizado como uma variação do desenho "Holbein" de pequeno padrão e aparentemente substituiu-o em popularidade. A ornamentação parcialmente geométrica e parcialmente florida do entrelaçado arabesco, sempre em amarelo sobre fundo vermelho, com pequenas acentuações em azul escuro e branco é altamente estereotipado. Este esquema cromático, tanto em tapetes ainda existentes como em representações pintadas é muito imitado, apenas uma pequena minoria de exemplos diverge deste modelo através de diferente utilização de cor. A maior parte dos exemplos mais antigos têm tipos de cercaduras cúficas (como os "Holbeins" de pequeno-padrão anteriormente), normalmente branco sobre fundo de azul-verde.

Estes notáveis tapetes são relativamente abundantes na pintura portuguesa; vemo-los pela primeira vez debaixo da mesa na Apresentação da cabeça de São João Baptista, de Gregório Lopes, c. 1539-41 (Igreja de São João Baptista, Tomar), e na sua Anunciação do altar original de Santos-o-Novo, c. 1540 (Museu Nacional de Arte Antiga, Lisbon). Lopes era pintor oficial da corte e trabalhou para os mecenas mais prestigiados da época, o que é próximo de uma garantia que ele retratava os tapetes mais valiosos da aristocracia da época. Os tapetes retratados estavam também no auge da moda e as datas destas duas pinturas coincidem exactamente com o período em que as representações de "Lottos" atingiram o seu auge na arte italiana, e antecedem as primeiras representações deles na pintura do Norte da Europa. No inventário do 5º Duque de Bragança, D. Teodósio I (m. 1563), os tapetes 'Lotto' são os mais numerosos e valiosos dos tapetes 'de pintor', e também os mais bem conservados.

Este desenho, que continuou em produção durante o século XVII, e continuou a ser prezado em Portugal, tal como na Itália e no Norte da Europa, aparece no São Francisco e o Milagre da Porciúncula, de André Reinoso, c. 1628-1630 (Museu Municipal de Óbidos), defronte do altar, sob a figura ajoelhada do santo. Este tapete distingue-se dos exemplares quinhentistas pintados por Gregório Lopes e outros artistas devido ao seu desenho 'ornamental' do arabesco com ganchos e à cercadura de cartuchos.

Bibliografia:
HALLETT, Jessica, "Tapetes orientais e ocidentais: intercâmbios peninsulares no século XVI", in O Largo Tempo do Renascimento: Arte, Propaganda e Poder, Vítor Serrão (coord.), Lisboa: Caleidoscópio, 2008, pp. 225-257. HALLETT, Jessica and PEREIRA, Teresa Pacheco (coords.), O Tapete Oriental em Portugal, tapete e pintura, séculos XV-XVIII, Lisboa: Museu Nacional de Arte Antiga/ Instituto dos Museus e da Conservação, catálogo de exposição, 2007.HALLETT, Jessica, "From Floor to Wall: An oriental carpet in a Portuguese mural painting of The Annunciation", in Out of the Stream: Studies in Medieval and Renaissance Mural Painting, Luís Urbano Afonso e Vítor Serrão (coords.), Newcastle: Cambridge Scholars Publishing, 2007, pp. 141-165. MILLS, John, "Lotto Carpets in Western Paintings", Hali, 3.4, 1981, pp. 278-289. MILLS, John, "Eastern Mediterranean Carpets in Western Paintings", Hali, 4.1, 1981, pp. 53-55. MILLS, John, "Near Eastern Carpets in Italian Paintings", Oriental Carpet and Textile Studies, vol. 2, 1986, pp. 109-121. YDEMA, Onno, Carpets and their Datings in Netherlandish Paintings, 1540-1700, Zutphen, Walburg Pers., 1991.